saiba mais continuar O site da C-Food faz uso de Cookies de modo a que possa ter a melhor experiência de utilização de todas as suas funcionalidades, não recolhendo informação pessoal. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Bivalves

A C-Food produz amêijoa portuguesa, das espécies autóctones amêijoa-boa (Ruditapes decussatus) e amêijoa-macha (Venerupis corrugata).

 

Amêijoa-boa (Ruditapes decussatus) – é também conhecida por amêijoa-rainha ou amêijoa-fina.

foto de Amêijoa-boa (ruditapes decussatus)

A sua concha relativamente fina em comparação com outras espécies de amêijoas, caracteriza-se por ter as estrias radiais e longitudinais bem marcadas, as quais desenham um quadriculado patente, principalmente na parte de trás, o que lhe originou o nome específico (latim: decussatus; "entrecruzadas").

Apresenta dois sifões longos, graças aos quais pode sobreviver enterrada a profundidades de até 15 – 30 cm na areia.

 

Amêijoa-macha (Venerupis corrugata) - é também conhecida por amêijoa-babosa.

foto de Amêijoa-macha (Venerupis corrugata)

A sua concha oval alongada e um pouco frágil possui estrias radiais concêntricas, muito finas e irregulares, mais marcados na parte posterior. Os seus estádios de crescimentos são bem definidos e claros.

Os sifões estão ligados ao longo de todo o comprimento da concha sendo uma característica de distinção, da sua tão similar, amêijoa boa (Ruditapes decussatus).

A amêijoa-macha pode atingir 50 mm de comprimento, e habita nos fundos lodosos e arenosos, desde a zona intermareal até aos 40 metros de profundidade.

ilustração com uma seta para cima